quarta-feira, 7 de março de 2012

Construindo o reino (não o de Deus)

O denominacionalismo cristão criou suas ilhotas, seus partidos e suas instituições.
Nunca estivemos tão divididos como estamos agora!
O que vejo no moderno mundo cristão, melhor dizendo, no meio evangélico, é algo estranho ao Evangelho de Cristo.
Observo as denominações evangélicas numa competição desenfreada para angariarem membros ao invés de se preocuparem em fazer discípulos de Cristo! Até onde entendo esse é o nosso propósito como cristãos, fazer discípulos de todas as nações, batizando-os em do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo e ensinando-os a guardar tudo o que o Senhor nos mandou (Mt 28.20). Estou errado?
Na verdade, cada denominação está construindo o seu próprio reino!
Mas não somente as denominações, mas os indivíduos dentro das denominações que criam seus reinados particulares. Indívíduos estão deixando suas denominações, suas convenções e criando as suas próprias, numa demonstração gritante de exacerbação do ego.
Descobriram que o nome de JESUS é um "business" e tanto, e rentável e que não se precisa investir um centavo, ele por si só rende somas extraordinárias! Daí termos hoje tantos "homens de Deus" milionários, sem contar as suas denominações que figuram entre as que mais crescem!
Templos gigantescos e luxuosos são construídos, aviões, carros luxuosos e mansões são comprados com o propósito de se expandir o "reino de Deus". Os crentes são desafiados a "semearam" com abundância porque "colherão" também abundantemente!
Realmente um reino esta sendo construído e erguido por cada um destes indivíduos e suas denominações, mas infelizmente NÃO É o reino de Deus!
Quando leio Paulo dizendo que o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo (Rm 14.17), me pergunto: onde está tudo isso nas denominações de hoje?
Esse negócio de que o reino de Deus não vem com aparência exterior (Lc 17.10) está ultrapassado, tem que ter aparência sim e bem "aparente" para esses sujeitos!
Já não se fala mais na necessidade de se ser uma nova criatura, um nascido de novo, para se herdar o reino de Deus!
O imediatismo substituiu a eternidade!
Mas em meio a tudo isso, há sim um reino que não é de aparência exterior, que não é comida e nem bebida,  mas que está dentro de cada um que ama e reverencia a Cristo em seu viver e atitudes!