sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Se o Senhor não estiver… não continue!

Um rei não se salva pela multidão do seu exército; nem o homem valente se livra pela muita força. O cavalo é vã esperança para a vitória; não pode livrar ninguém pela sua grande força.” (Sl 33.16,17).
Quem somos nós, senão simples mortais, que muitas vezes achamos que somos grandes e importantes? Oh, quantos são esnobes e pensam que viverão eternamente aqui neste mundo! Fazem planos para o futuro como se tivessem o controle total de suas vidas e circunstâncias. Isso não quer dizer que não podemos planejar as coisas, claro que podemos. Só não podemos incorrer no erro descrito por Tiago: “Eia agora, vós que dizeis: Hoje ou amanhã iremos a tal cidade, lá passaremos um ano, negociaremos e ganharemos. No entanto, não sabeis o que sucederá amanhã. Que é a vossa vida? Sois um vapor que aparece por um pouco, e logo se desvanece. Em lugar disso, devíeis dizer: Se o Senhor quiser, viveremos e faremos isto ou aquilo. Mas agora vos jactais das vossas presunções; toda jactância tal como esta é maligna.” (Tg 4.13-16).
Os versículos do Salmo citado acima comparam-se ao do Salmo 127.1,2. Jamais seremos bem sucedidos em qualquer área de nossas vidas se o Senhor não estiver presente. Veja bem, o salmista não diz que um rei não possa ter um grande exército, ele pode até ter, mas ele jamais obterá vitória por confiar no seu exército. Também não diz que não se possa vigiar uma cidade ou edificar um casa, tudo isso pode ser feito, mas se Deus não estiver presente é tudo em vão! 
Inútil é pensarmos que podemos ou que somos alguma coisa, que temos condições de avançarmos nos empreendimentos da vida sem a presença de Deus. Alguém pode argumentar que há ímpios bem-sucedidos, que não tributam a Deus nenhum louvor e ainda assim se dão bem na vida. Tal pensamento é semelhante ao de Asafe no Salmo 73. No entanto, veja o que acontece com essas pessoas no final de tudo! (leia o Salmo, detenha-se nos vv. 18-20).
O melhor é: se Deus não estiver, não vá em frente!
Shalom Adonai!

Um comentário:

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

Shalon!

Compreendendo o que diz a Torah, a qual diz que não deve um rei ter muitos cavalos (611º preceito), o salmista nos mostra em quem devemos realmente confiar.

Fazendo o contrário do que disse Moisés, Salomão teve muitos cavalos, além de outras extravagâncias. Então, ele foi deixando de confiar em Deus, deixando de andar nos passos de Davi.

Embora se tratem de textos e histórias antigas, tudo isso tem muito a ver com os nossos dias porque várias vezes somos tentados a confiar na nossa própria força. Principalmente quando prosperamos e ficamos temerosos de perder aquilo que se encontra em nosso poder. Aliás, é nestas horas que o coração do homem resiste a fazer o que Deus manda por temer a perda de qualquer conforto.