domingo, 19 de dezembro de 2010

Esse Sermão da Montanha!!!

Como parece difícil para muitos cristãos compreender os ensinos de Cristo na prática! Leio o Sermão da Montanha e vejo ali a cartilha do Reino de Deus para a nossa vida. Mas que cartilha!
Os bem-aventurados não são os ricos e poderosos da terra, mas os pobres de espírito, os que choram, os misericordiosos, os pacificadores, os mansos, os que têm fome e sede de justiça, os de coração limpo e os perseguidos por causa da justiça, tudo contrário ao que o mundo ensina e pratica.
Mas tem também o fato de eu sempre procurar viver bem com os meus irmãos, não lhes imputando palavras ou atos que venham feri-los, e caso o faça, que me reconcilie imediatamente, antes de oferecer algo a Deus, caso contrário, não adianta eu orar, cantar, pregar, porque não terá nenhum sentido ou efeito em minha vida ou na dos outros.
O pecado não é somente praticar o ato, mas desejar no coração aquilo que é pecaminoso, que é tão danoso quanto o praticar.
“O olho por olho e dente por dente” é substituído pelo perdão e “abrir mão” do direito, caso seja ferido numa face, ofereça a outra, se for obrigado a caminhar uma milha, caminhe duas, se alguém lhe tomar a túnica, deixe levar também a capa. Que coisa, hein! Nunca revidar!
E esse negócio de amar os inimigos, bendizer os que nos maldizem, fazer bem aos que nos odeiam e orar pelos que nos perseguem e maltratam, para que sejamos considerados filhos de Deus? Parece loucura, não é mesmo? Mas é assim mesmo!
Tem também o fato de eu procurar sempre fazer as coisas sem querer aparecer. Se der esmolas, orar e jejuar, que o faça em secreto, sem ser visto pelos homens, basta Deus ver! Bem diferente de certos “apóstolos” (apóstolos? E existe ainda hoje? Ah, pensei que só existia o ministério e não o cargo! Tô muito atrasado!), “bispos”, “pastores”, etc… de hoje!
Ah, é muito difícil a história de não juntar tesouros na terra! Hoje a gente ouve pregações dizendo que devemos ser ricos e abastados porque somos filhos do Rei! Eu não entendo mais nada! (E entendo muito bem).
E depender do Pai Celestial como as aves dos céus e a erva do campo é coisa de louco! Só Jesus mesmo para ensinar isso!
Tem muito mais lá! Abra sua Bíblia ( a Bíblia mesmo e não a caixinha de promessas!) e leia Mateus 5-7. Você vai gostar! (Eu acho…).
Bem, quem disse que ser seguidor do Nazareno era coisa fácil?
Shalom Adonai!

Um comentário:

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

Vejo no Sermão da Montanha algo que está implícito em seu ensinamento - a graça salvadora de Deus.

É impossível praticarmos todos os mandamentos e Jesus nos convence de que somos todos assassinos e adúlteros, pois temos dentro de nós os mesmos sentimentos que aqueles que praticam tais coisas.

O Sermão do Monte leva-nos da observância exterior para um exame do nosso interior, nossas motivações.

Para quem jejuamos? Para quem oramos? Para quem estamos fazendo as boas ações?

É no Sermão do Monte que a religiosidade é confrontada de modo que aqueles que baseiam suas vidas num comportamento moral de aparências assemelham-se ao homem que construiu a casa sobre a areia ao invés de edificar sobre a rocha da graça.