sábado, 21 de agosto de 2010

Não sou perfeito, mas...

O mandamento de Jesus para sermos perfeitos, assim como perfeito é o Pai celestial, nos choca! (Mt 5.48).
Como seremos perfeitos, se somos tão imperfeitos? Jesus está sendo incoerente em exigir isso de nós? Certamente que não! Jesus também sabe que não somos perfeitos, e que pecamos. Sua exigência é no sentido de que devemos buscar a perfeição, por mais pecadores que sejamos. A perfeição seria como o alvo para as nossas vidas.
Então, como lidar com as nossas imperfeições? Como lidar com nossas inclinações para o mal e para o pecado?
O primeiro passo é reconhecer seus próprios pecados e limitações. Ninguém vai conseguir buscar a perfeição sem primeiro reconhecer seus próprios erros, falhas, pecados, limitações e imperfeições. É como o ladrão na cruz que sabia porque estava ali pendurado, seus próprios pecados o conduzira àquela condição. Mas reconheceu isso e voltou-se para quem tinha a solução para a sua vida: JESUS CRISTO. Não é fácil lidar consigo mesmo. O egoísmo muitas vezes é muito forte. Mas é preciso esvaziar-se e confiar naquele que pode nos ajudar: Deus.
Segundo, procurar viver de forma digna. Em outras palavras: VIGIAR! O espírto pode estar pronto, mas a carne é fraca. Vigiar a si mesmo, suas ações, pensamentos, palavras, atitudes. Como é difícil isso! Nossa inclinação para o mal é muito grande.
Terceiro, render-se inteiramente ao Salvador. Entregar-se inteiramente a dependência de Deus é essencial para a busca da perfeição. Só quem é perfeito pode ajudar os imperfeitos.
Isso não é uma receita pronto e completa, mas já é um grande começo.
Dizer não sou perfeito como desculpa para o erro não justifica e não leva a lugar algum.
Sabe quem é o nosso maior inimigo neste mundo? Não, não é o diabo, somos nós mesmos! É a semente mal dentro de nós. Só o Criador para nos ajudar em busca da perfeição! Ainda bem que Ele está pronto a nos ajudar. Louvado seja Deus por isso!

Um comentário:

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

Graça e paz! Mesmo sabendo que nós não alcançaremos a perfeição, Deus não rebaixa o seu padrão. Ter como alvo permanente o elevadíssimo padrão de Deus ajuda-nos a melhorar como pessoas, nos sentindo sempre carecedores da graça divina, enquanto que a conformação com um padrão inferior pode induzir o homem à soberba e não à humildade. O inatingível padrão de Deus me faz reconhecer o quanto miserável sou.