sexta-feira, 30 de abril de 2010

Deus ou o homem?

Vivemos em dias em que há uma grande inversão dos valores cristãos e bíblicos, que se não tivermos o Espírito de Deus em nossas vidas, seremos facilmente enganados.

"MAS o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios"  (1 Timóteo 4.1).

O homem quer tomar o lugar de Deus, ou melhor, usar Deus para alcançar seus intentos. Determinam a bênção de Deus na vida das pessoas, prometem o que Deus jamais prometeria, dizem o que jamais Deus diria. São falsos profetas, “espíritos enganadores”, que estão por trás de tudo isso. A falsidade campeia os arrais cristãos, de tal forma, que está difícil distinguir o certo do errado. A capa de cordeiro que alguns usam, sendo, na verdade, lobos cruéis, é tão espersa que mal conseguimos enxergar de fato os lobos que são.

O temor de Paulo em 2 Coríntios 11.3 está se cumprindo: "Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos, e se apartem da simplicidade que há em Cristo". Infelizmente a astuta antiga serpente tem enganado a muitos cristãos em nossos dias, que se afastaram (e muito) da simplicidade que há em Cristo Jesus, nosso Senhor e Salvador. São líderes que não querem “imitar a Paulo”, assim como Paulo imitava a Cristo. Simplicidade é uma palavra que não faz parte do vocabulário desses ditos “homens de Deus”.

O conceito de Deus foi invertido. A soberania de Deus está em xeque. Deus tem que fazer o que muitos cristãos estão determinando, num ato insano e ultrajante ao Soberano Deus, como se o Criador tivesse virado empregado desses ditos “cristãos”. O “seja feita a tua vontade” ficou para trás há muito tempo. E as promessas em nome de Deus?  São as mais absurdas possíveis! E dizem, Deus é obrigado a cumpri-las! Que absurdo!

É preciso definir: Deus é Deus e o homem é homem. Deus é Senhor, Soberano, Todo-Poderoso, Criador. O homem é criatura, servo, dependente, pecador. Deus não se dobra aos caprichos e vontades do homem, mas o homem deve se dobrar à vontade e soberania de Deus. Quem determina é Deus e não o homem. Quem obedece é o homem e não Deus.

Os “ungidos” e “profetas” de Deus não podem dizer o que Deus não diz. Não podem prometer o que Deus não promete. Não podem fazer o que Deus não faz e nem aprova quem faz.

“Sempre seja Deus verdadeiro, e todo o homem mentiroso”  (Romanos 3.4).

"NÃO a nós, SENHOR, não a nós, mas ao teu nome dá glória, por amor da tua benignidade e da tua verdade."  (Salmo 115.1).

Um comentário:

Guilherme disse...

Paz do Senhor amado!
É uma pena que a situação esteja deste tipo, hoje se o povo não pedir a Deus discernimento facilmente é enganado,mas que nós possamos estar levando a verdade de Deus, custe o que custar.

Abraços.